segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

CARTA DO PAPAI NOEL AOS PROFESSORES BRASILEIROS

Share |


Queridos Professores

Pela primeira vez, quebro o protocolo e envio uma carta, mas vocês merecem! Estou profundamente indignado com a forma que as autoridades brasileiras estão tratando vocês. Acabo de jogar na lareira todas as cartas que recebi dos políticos brasileiros pedindo como presente a reeleição, meninos maus e incompetentes que não merecem a minha atenção.

A situação de vocês é tão grave, que acabo de ligar para a menina Dilma e lhe dei um violento puxão de orelha, pois no discurso de posse ela prometeu  tratá-los com respeito e dignidade. O mandato está correndo e até agora vocês continuam ganhando uma miséria, a aprovação automática continua a todo vapor e os professores só aguentando humilhações. Já dei um ultimato a Dilma  proibindo-a  de usar a cor vermelha, exclusividade minha, enquanto não cumprir as promesas e dar a atenção que a educação e os professores merecem.

Dois estados do Brasil estão em situação crítica, ou melhor na minha lista negra,  Minas Gerais e  Rio de Janeiro. A crueldade com os professores e a educação nestes estados estão me deixando indignado. Estou revoltado, pois vejo todos os dias nos jornais as promessas e os resultados magníficos, mas basta ver a minha correspondência que encontro milhares de criancinhas pedindo que eu mande um professor porque desde o começo do ano estão sem aulas por falta de professor, mães me pedindo para libertar os filhos do analfabetismo funcional, merendeiras pedindo alimentos para preparar a merenda, professores pedindo socorro, pois estão sendo forçados pelas diretoras a aprovar alunos para bater metas, comunidades aflitas com o fechamento de escolas, etc. Em Minas, o governador tem a cara de pau de dizer que os professores recebem mais do que o piso, isso é demais até mesmo para o saco de Papai Noel.

Nada mais me irrita do que os pedidos de diretores, diretoras e GIDES (que diabo é isso?) me pedindo ajuda para cumprimento de metas pra ganhar bônus. Aviso a essa turma que podem parar de me mandar carta que eu não vou atender. Deixem de ficar se enganando, deixem de ser tolos, arrumem coragem, tomem vergonha na cara e façam uma bela greve em 2013. Bônus é conversa para boi dormir...

Prometo a vocês professores que todos esses algozes que estão infernizando a vida de vocês, se depender de mim, não serão eleitos nem para síndico de cortiço. Agora peço a vocês que se unam e comecem o ano letivo de 2013, com uma greve monumental, paralisando as aulas do Oiapoque ao Chuí.

Lembrem-se a UNIÃO FAZ A FORÇA.

FELIZ NATAL A TODOS!

Papai Noel.
HO! HO! HO!

sábado, 8 de dezembro de 2012

SOMOS OS PROFESSORES MAIS BARATOS DO MUNDO. ATÉ QUANDO VAMOS ACEITAR ISSO?

Share |
 
Salários dos professores  ( Pesquisa da  UNESCO)

Na pesquisa, os salários estão em dólar e calculados por ano. Veja em reais e por mês. É bom lembrar que R$ 824,00 é pra tudo saúde, transporte, habitação,lazer etc e tal. 

Diferentemente da infra estrutura que os trabalhadores da Alemanha, Portugal, Suíça.... )vivem.

Portugal: 8.583,33 por mês

Suíça : 8.583,33 por mês

Alemanha: 5.150,00 por mês

Coreia: 4.978,33 por mês

Argentina: 1.682,33 por mês

Brasil : 824,00 por mês
GENTE!! OS PROFESSORES DO BRASIL ESTÃO MORTOS ?


VAMOS FAZER UMA GRANDE MARCHA PARA BRASÍLIA E DECIDIR ESSA QUESTÃO DE UMA VEZ POR TODAS. ATITUDE, CORAGEM É O QUE ESTÁ NOS FALTANDO. VAMOS GENTE?


" QUEM SABE FAZ A HORA NÃO ESPERA ACONTECER" 


MINHA SUGESTÃO: MARCHAR PARA BRASÍLIA EM JANEIRO DE 2013. CRIAR O PROJETO DE LEI EQUIPARANDO NOSSOS SALÁRIOS AOS DOS DEPUTADOS. 


NÃO ME VENHAM DIZER QUE ESTOU DOIDA. VOCÊ ACHA QUE NÃO MERECEMOS? E ELES ( DEPUTADOS - SENADORES) MERECEM? ANTES NÓS, DO QUE ELES.


MOVIMENTO RESISTENTE. VENCÊ-LOS PELA PRESSÃO DA SOCIEDADE, PELA RESISTÊNCIA, PELA CORAGEM.

FONTE: e-mail enviado por Lidia Amália de Oliveira Flecha Flecha.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

REFLEXÃO VISUAL

Share |

SISTEMA DE BÔNUS: 

SITUAÇÃO DO ATIVO 
SITUAÇÃO DO APOSENTADO




ATIVO

APOSENTADO




ATIVO

APOSENTADO



ATIVO

APOSENTADO




ATIVO

APOSENTADO

ATIVO

APOSENTADO 




ATIVO

APOSENTADO






SE NÃO LUTARMOS POR AUMENTOS DE SALÁRIOS, CONTENTANDO-NOS COM BÔNUS,
  VAMOS ACABAR DESTE JEITO!

UM FINAL DIGNO 
DEPENDE DE VOCÊ!

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

AULA DE MATEMÁTICA

Share |
Hoje vou brincar de professor de matemática. Vou passar alguns problemas para vocês resolverem.
 
Problema nº 1: 

Um professor trabalha 5 horas diárias, 5 salas com 40 alunos cada. Quantos alunos ele atenderá por dia?

Resposta: 200 alunos dia.

Se considerarmos 22 dias úteis, quantos alunos ele atenderá por Mês?

Resposta: 4.400 alunos por mês.

Consideremos que nenhum aluno faltou (hahaha) e, que cada um deles, resolveu pagar o professor com o dinheiro da pipoca do lanche: R$0,80  diários. Quanto é a fatura do professor por dia?

Resposta: R$160,00 diários

Se considerarmos 22 dias úteis, quanto é faturamento mensal do mesmo professor?
 
Resposta: Final do mês ele terá faturado R$ 3.520,00..

Problema nº 2: 

O piso salarial é R$ 1.187 reais, para o professor atender 4.400 alunos mensais. Quanto o professor fatura por cada atendimento?

Resposta: Aproximadamente R$ 0,27 mensais

- (Vixe, acham que valemos menos que o pacote de pipoca)... continuando os exercícios...

Problema nº 3: 

Um professor de padrão de vida simples, solteiro e numa cidade do interior, em atividade, tem as seguintes despesas mensais fixas e variáveis :

Sindicato: R$ 12,00

Aluguel: R$ 350,00 ( pra não viver confortável)
Água/energia elétrica: R$ 100,00 (usando o mínimo)

Acesso à Internet: R$ 60,00 

Telefone: R$ 30,00  (com restrição de ligações)

Instituto de Previdência: R$ 150,00 

Cesta básica: R$ 500,00 

Transporte: sem dinheiro

Roupas: promocionais
Quanto um professor gasta em um mês?

Total das despesas: R$ 1.202,00

Qual o saldo mensal de um professor?

Saldo mensal: R$ 1.187,00 - R$ 1.202,00 =  - R$ 15,00  passando necessidades.

Agora eu te pergunto:

- Que dinheiro o professor terá para seu fim de semana?

- Quanto o professor poderá gastar com estudos, livros, revistas, etc.

- Quanto vale o trabalho de um professor??

- Isso é bom para o aluno???

- Isso é bom para a educação pública do Brasil??

- Isso é bom para os seus filhos por serem instruídos com esses professores??

Agora olhem a pérola que um certo político disse:

" Quem quiser dar aula faça isso por gosto, e não pelo salário.

Se quiser ganhar melhor, peça demissão e vá para o ensino privado "
 

  SE VOCÊ ACHA QUE OS POLÍTICOS DEVEM ABRIR MÃO DE SEUS SALÁRIOS E GOVERNAR POR AMOR, PASSE PARA A FRENTE!
 
CAMPANHA 
 
"Doe seu SALÁRIO e governe por AMOR !" 
 
Vamos espalhar isso aos 4 ventos e aumentar a campanha:

DEPUTADOS FEDERAIS E ESTADUAIS, MINISTROS, DOEM SEUS SALÁRIOS E TRABALHEM POR AMOR!
 

 
 

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

DIGA NÃO À OLIMPÍADA DA IGNORÂNCIA! AJUDE A SALVAR A ESCOLA!

Share |

Graças à nossa mobilização, os pais e alunos da Escola Municipal Friedenreich não entraram na audiência pública da última quinta-feira sozinhos. Com eles, havia a força de mais de 16 mil cariocas. Nós fizemos tanta pressão no Governo Estadual que o Secretário da Casa Civil passou a bola para a Prefeitura. A escola só poderá ser destruída se a Prefeitura ceder o terreno para o Estado.

Para a nossa sorte existe uma pessoa dentro da Prefeitura que tem muita influência com o Prefeito e que já se manifestou contra a demolição da escola: a Secretária Municipal de Educação, Claudia Costin. Precisamos que ela se manifeste oficialmente contra a demolição e para isso vamos mandar milhares de mensagens de apoio à Secretária para mostrar que, se ela comprar essa briga, ela também não estará sozinha.
Clique no link abaixo e mande um email para a Secretária manifestando o seu apoio e pedindo que ela defenda publicamente a permanência da Friedenreich no Maracanã:

A campanha está chamando muita atenção e estamos conseguindo mudar o curso dos acontecimentos! Semana passada, o Secretário Regis Fichtner foi procurado pelos principais jornais para dar satisfações sobre a escola e disse que o novo local já estaria certo: a antiga escola de veterinária do Exército, em São Cristóvão

Pais, alunos e professores se opõem à mudança para São Cristóvão, em uma área mal servida por transportes públicos, e afirmam que muitos alunos, principalmente os que têm deficiência física, terão sérios problemas para chegar ao local. Além disso, nada foi mudado no edital para de fato assegurar que mesmo essa garantia mínima será de fato respeitada. Por enquanto, ficamos só na promessa.

Para piorar as coisas, o Exército contestou a declaração do Governo Estadual, alegando que a venda do terreno em São Cristóvão não está confirmada. O problema é que o período de transferência de alunos para outras escolas vai só até o dia 25 de novembro. Ou seja: os pais têm pouco mais de uma semana para decidir se transferem seus filhos ou os mantêm na Friedenreich no ano que vem, mas ainda não há nem um início de definição sobre o futuro da escola.

Agora que a decisão está nas mãos da Prefeitura, temos que mostrar que não há tempo para promessas vazias ou decisões que não foram discutidas com a comunidade escolar. Pais, alunos e professores precisam definir seu futuro até o dia 25 de novembro, e a única possibilidade viável apresentada até agora é a permanência da Friedenreich no Maracanã.  Precisamos que a Secretária se posicione o mais rápido possível! Clique no link e envie agora um email diretamente para ela:
http://meurio.org.br/na_atividade/8/carta/new

Pela Friedenreich e por um Rio de Janeiro cada vez mais lindo,
Dani, Rafa, João, Alessandra, Miguel e toda a equipe do Meu Rio.

Fontes:

- Relato detalhado sobre a Audiência Público sobre o Maracanã:
 aqui.
- Os tweets da Secretária Claudia Costin contra a demolição da escola: aqui.
- Nota do Exército dizendo que o terreno em São Cristóvão ainda não está disponível: aqui.

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Campanha: educação para um Futuro Melhor.

Share |

Como parte integrante da disciplina Comunicação Digital e as Novas Mídias, os alunos do 4º semestre do curso de Relações Públicas da USP estão tendo que criar uma campanha de reivindicação no Facebook.

Nós da Educação para um Futuro Melhor decidimos reivindicar pela melhoria da educação e da qualidade das condições trabalhistas dos professores da rede pública. Além de reivindicar pela melhoria da Educação Pública no Brasil, também temos o intuito de divulgar alguns conteúdos interessantes em relação ao assunto.

Nossa intenção é fazer com que a luta e discussão pela melhoria da Educação Pública não se restrinja aos alunos e professores da Rede Pública, pois temos total convicção de que toda a população é afetada direta ou indiretamente pelas defasagens do sistema de ensino vigente atualmente, por isso, buscamos trazer essa discussão para o ambiente acadêmico.

Para conhecer a nossa página acesse: http://www.facebook.com/EducacaoParaUmFuturoMelhor.

sábado, 3 de novembro de 2012

OLIMPÍADA DA IGNORÂNCIA E COPA DA PRIVATIZAÇÃO: DIGA NÃO!

Share |
Amigo do Rio,



Esta semana, recebemos um pedido muito especial, que fazemos questão de enviar para todos vocês:



"Meu nome é Beatriz Ehlers, tenho onze anos, e quando crescer eu quero ser arquiteta. Eu estudo na Escola Municipal Friedenreich, que é a quarta melhor escola do Rio. Mas o Governo quer demolir ela e construir uma quadra para o Maracanã. Eu amo a minha escola e todos os alunos, professores e pais também amam ela! Foi aqui que eu aprendi a ler, escrever, usar computador, filmar e editar vídeos e principalmente a respeitar as outras pessoas. Nossa escola é diferente, é um exemplo! Nós pedimos a todos os cariocas e todas as escolas do Rio que assinem a carta de apoio e nos ajudem a impedir que a nossa escola seja demolida. Meus pais, eu e outros alunos vamos entregar essa carta para o governo do Rio durante uma audiência no dia 08 de Novembro: http://meurio.org.br/assine_embaixo/escola-nao-se-destroi ”



Conversando com os pais da Bia, descobrimos que ela é uma das melhores alunas da Escola Municipal Friedenreich. Infelizmente o Governo planeja botar a escola da Bia abaixo, interrompendo um projeto pedagógico que vem sendo aprimorado há mais de 20 anos, e erguer uma quadra antes de entregar o complexo Maracanã para ser administrado pela iniciativa privada.



Felizmente, ainda dá tempo de alterar o edital de concessão do Maracanã e evitar que a escola seja demolida. Para isso, precisamos convencer o Secretário da Casa Civil, Regis Fichtner, a fazer as mudanças. Não será tarefa fácil, mas com organização e participação de milhares de cariocas, vamos conseguir: a nosso favor, temos o fato da Secretária Municipal de Educação já ter declarado publicamente que é completamente contra a demolição da escola. Além disso, muitos se opõem ao bota-abaixo porque a escola foi recentemente reformada, a um custo de mais de 270 mil reais.



Fichtner estará presente em uma audiência pública no dia 8 de novembro, justamente para discutir a política de concessão do Maracanã. Os alunos, pais e professores da Escola Municipal Friedenreich estarão presentes. Eles estão muito unidos, mas ainda estão desamparados e precisam de toda a ajuda dos cariocas. Não vamos deixar que eles entrem nessa audiência pública sozinhos! Pra juntar a sua voz à deles, assine a carta de apoio através do link abaixo:

http://meurio.org.br/assine_embaixo/escola-nao-se-destroi


Por um Rio de Janeiro cada vez mais lindo (e bem-educado),

Beatriz, João, Dani, Rafael, Alessandra e toda a equipe do Meu Rio

p.s: antes de conhecermos a Bia, a história da escola já havia sido enviada pra nossa equipe por uma mãe de aluno, Márcia Fernandes. Ela nos contou que justificativas diferentes já foram dadas para a demolição: primeiro, era para construir um estacionamento, agora é para as quadras. Márcia já resiste à demolição há dois anos, e não vai parar agora. Junte-se a ela aqui: http:///assine_embaixo/escola-nao-se-destroimeurio.org.br





                                                  
Projeto de privatização do Maracanã prevê demolição de escola pública “modelo”



Escola Municipal Friedenreich é sétima melhor do Estado, mas dará lugar a quadras para Olimpíada

O projeto de privatização do Maracanã prevê a demolição de uma das melhores escolas do Rio de Janeiro. A Escola Municipal Friedenreich, que fica ao lado do estádio, foi considerada a sétima melhor instituição pública de ensino para alunos de 1ª a 5ª séries do Estado. Porém, por causa da concessão do complexo esportivo do Maracanã, deve ser posta abaixo.

A demolição consta na lista de obras que terão de ser feitas pelo futuro administrador do Maracanã para tornar o estádio e seus anexos um “grande centro de entretenimento”, conforme plano do governo do Rio. Segundo esse mesmo plano, o que hoje é a escola será transformado em duas quadras para aquecimento de atletas anexas ao ginásio do Maracanãzinho. Já o que será dos alunos que estudam ali não se sabe.

“Estamos perplexos”, resumiu Carlos Sandes Ehlers, pai de Beatriz da Costa Ehlers, aluna da Friedenreich. “Tenho uma filha que estuda aqui e outra que já estudou. A escola é considerada modelo, mas o governo simplesmente diz que vai demolir.”

Carlos é professor, mas leciona em escolas privadas. Segundo ele, a Escola Friedenreich tem recursos que mesmo escolas particulares não dispõem. Ela oferece aulas de artes, música, inglês e uma estrutura completa para seus alunos. Mesmo assim, ele não sabe dizer até quando tudo isso estará à disposição de sua filha e outros 400 estudantes do Rio.

Desde 2007, quando a cidade sediou os Jogos Pan-Americanos, rumores sobre a demolição incomodam estudantes e seus pais. Naquela época, disse Carlos, já havia sido cogitada a retirada da escola da área do Maracanã, mas nada ocorreu.

Em 2010, quando o Maracanã entrou em reforma para a Copa do Mundo, o assunto novamente veio à tona. Carlos e outros pais de alunos chegaram a procurar o Ministério Público em busca de mais informações a respeito da obra. No início deste mês, foram informados pelo promotores que, segundo ofício enviado pela Secretaria de Obras do Estado do Rio de Janeiro, a reforma do estádio não afetaria a escola.

Menos de um mês depois, entretanto, a minuta do edital de concessão do Maracanã à iniciativa privada confirmou a intenção do governo de demolir a Friedenreich. Embora o documento ainda possa sofrer alterações já que está em consulta pública, ele inclui a área da escola em um projeto essencial para que o Maracanãzinho possa sediar jogos de vôlei da Olimpíada de 2016. Isso porque, sem quadras de aquecimento, o ginásio não atende exigências olímpicas.

“Para receber Copa e Olimpíada, o governo faz de tudo. Mas o que a população precisa mesmo é educação, não de jogo de futebol”, critica Carolina Martins Araújo, mãe de Juliana Araújo Ribeiro, aluna da Friedenreich. “Educação não é prioridade para o governo.”

Carolina é contra a demolição da escola, mas condena ainda mais a falta de informações. No projeto de privatização do Maracanã, estão previstas a demolição de outros equipamentos púbicos como o Parque Aquático Júlio Delamare e o Estádio de Atletismo Célio de Barros. No caso dos centros esportivos, entretanto, já está garantido que eles serão reconstruídos em uma área próxima a de hoje. No caso da escola, nada foi definido.

A própria diretoria da Escola Municipal Friedenreich desconhece o projeto de demolição. Procurada pelo UOL Esporte, a diretora Sandra Russomano disse que não foi comunicada oficialmente de nada.

A Secretaria Municipal de Educação também informou ao UOL Esporte desconhecer o assunto. Só adiantou que, “caso receba a informação, vai estudar a melhor solução para alunos e funcionários.”

Apesar da secretaria não ter sido comunicada da demolição, o governo informou que já está tratando do assunto com a Prefeitura. Em nota, ele declarou que “os alunos podem ficar tranquilos quanto a ter todas as suas aulas.”

Járdila Gonzaga até tenta ficar tranquila, mas não consegue. Ela estudou na Friedenreich. Hoje, tem dois filhos que estudam lá. Sem saber o que será da educação dos dois, ela cobra explicações. “Essa escola tem quase 50 anos. Agora, simplesmente vai ser demolida? E todo mundo que estuda aqui?”

Fonte:


domingo, 14 de outubro de 2012

15 de Outubro – comemorar o quê?

Share |

Luiz Eduardo Farias

Hoje é o meu dia! Deveria estar feliz, não é? Mas não tenho tantas razões para comemorar. Muitos dizem que ser professor atualmente é ser herói, daqueles que mata um vilão pior do que outro, dia após dia. E o pior é que esta imagem do professor-herói nos remete ao senso comum de que a profissão é quase um sacerdócio.

Lembro-me bem do primeiro dia como professor. Uma colega bem experiente me chamou em um canto e falou baixinho: “Olha, se você está aqui pelo emprego não vai dar certo. Isso aqui é um chamado!”. Seis anos depois eu já compreendo bem o discurso por trás desta ideia. Assim como um religioso que aceita seu destino de servir ao santo dever de propagar a doutrina divina, o professor deve também aceitar o seu fardo. Sim, pois é uma dádiva atender a um chamado, mas junto dele vêm as provações. O professor que recebe tal “dom” deve se contentar com essa situação e, silenciosamente, cumprir o seu destino.

Colegas, esqueçam toda essa conversa. Somos profissionais e devemos ser tratados como tal. E mais, me chame de professor e não de educador. Chega de aceitar os problemas como se fossem naturais do ofício. Chega de acumular funções para as quais não devemos exercer. Pergunte a um engenheiro se ele decora a casa depois de pronta ou usa o martelo para reparar um defeito durante a obra. Indague se um ortopedista faz um raio X e depois engessa um membro contundido do seu paciente. Por que nós, professores, temos que ser múltiplos? Por que temos que ser psicólogos para tratar dos traumas dos nossos alunos? Por que devemos ser policiais para resolver os conflitos dentro da escola? Por que devemos ser médicos para cuidar de uma criança adoecida na sala de aula? Por que devemos ser secretários e secretárias para preencher os inúmeros papéis da burocracia nojenta que nos impõem? Por que devemos ser pai e mãe dos discentes que não tem a mínima educação em casa? Enfim, no circo escolar, estamos sendo malabaristas, trapezistas, mágicos e, sobretudo, palhaços.

Não temos nada para comemorar, porém muito o que refletir. Somos nós que reforçamos estas imagens na medida em que aceitamos como bons cordeiros os mais diversos papéis que nos são jogados. Muito mais do que aumento de salário eu quero ser RESPEITADO. Quero ser tratado como um profissional do ensino. O restante surge como consequência desta visão.

Professores, hoje é o dia de deixar guardada a roupa de herói e a batina de sacerdote. Não, melhor do que isso – rasgue-a! O cenário atual beira ao intolerável. A sensação que temos é que nossa condição de trabalho piora a cada ano. Sou um pouco pessimista e acho que ainda vai ficar mais crítico, até que o caos exija uma mudança. Até lá, o que eu e você podemos fazer é, amanhã, aparecer na escola com nossa roupa “normal” e gritar para todos – RESPEITO, SOU UM PROFISSIONAL!

Fonte: http://profluizeduardofarias.blogspot.com.br/

sábado, 13 de outubro de 2012

PARECE QUE TODO CASTIGO PRA PROFESSOR(A) É POUCO ...

Share |


Como se não bastassem as péssimas condições de trabalho; a ínfima remuneração; a violência e o desrespeito por parte dos alunos, gestores, governantes e a campanha promovida pela da mídia mercenária temos mais uma frente de batalha no universo virtual.

Sites, blogs e jogos estimulam e ensinam aos estudantes e as suas famílias como nos agredir, desrespeitar e denunciar.

Os docentes da rede pública são os alvos, preferenciais, da cruzada raivosa promovida pelo  Movimento de Olho na Escola Pública, coordenado por Mauro A. Silva e pelo  blog Cremilda Dentro da Escola, da dona de casa Cremilda Estella Teixeira. A bandeira de luta destes dois paladinos  é a qualidade da educação pública. Atacam, moderadamente, o poder público reservando para os docentes a maior cota da responsabilidade pelo atual caos da escola pública incitando a população contra a categoria.

O Movimento de Olho na Escola Pública em seu site Portal do Movimento Coep  disponibiliza a Cartilha “Como Educar Meu Professor – Em 10 Lições”, que segundo o autor “ foi idealizada por termos identificado que a maior parte dos professores são mal educados, mal formados e muito “folgados”…”. Após essa introdução ele prossegue: “A nossa orientação para alunos, mães, pais e comunidades é para que eduquem seus professores, destacando o seguinte:
  1. Escola não é segunda casa e nem segunda família. Diga isso para o seu professor.
  2.  Professor não é “amigo do aluno”… professor não é 2º pai do aluno… professor não é 2ª mãe do aluno!!! Diga isso para o seu professor.
  3. Professor e professora são profissionais pagos com o dinheiro de todos… professor é pago com o nosso dinheiro… Diga isso para o seu professor.
  4. Professor não é santo abnegado. Aqui em SP, o piso salarial é de R$ 1.500,00 para uma jornada de 40 horas semanais… Diga isso para o seu professor.
  5. Professor não é coitadinho. Tem muito político que tem parente vendendo aulas em escolas públicas. Mas é raro encontrar um deputado que tenha filho, neto ou sobrinho estudando em escola pública. Estes políticos votam projetos pensando única e exclusivamente no bem- estar dos seus parentes professores… Os alunos que se danem ... Diga isso para o seu professor.
  6. Professor deve ser avaliado diariamente. Exija frequência diária. Exija que ele preste todo o tipo de esclarecimento. Cobre-lhe participação em todas as atividades da comunidade escolar… Diga isso para o seu professor.
  7. Exija que seu professor o chame pelo nome.. Professor que não sabe o nome do aluno não tem condições de educá-lo… Diga isso para o seu professor.
  8. Criança e adolescentes são prioridades absolutas. Escola só deve existir se for para garantir o direito do aluno à educação de boa qualidade. Professor não é prioridade absoluta! Diga isso para o seu professor.
  9. Professor, funcionário e direção escolar devem respeitar alunos, mães pais e comunidade. O respeito é um dever, e não uma opção. Diga isso para o seu professor. 
  10. Toda obrigação deve estar diretamente relacionada a uma punição quando houver omissão. Professor responde pelos abusos e omissões em conformidade com o Estatuto do Magistério e até mesmo com o Código Penal. Professor que não ensina deve ser sempre denunciado. Não devemos “passar a mão na cabeça” de maus profissionais. Diga isso para o seu professor.
Uma educação pública de boa qualidade exige professores bem educados. Já que os governantes e os políticos não educam nossos professores, os alunos, as mães, os pais e a comunidade devem assumir o compromisso público de educar nossos professores." 

No blog  Cremilda Dentro da Escola encontramos pérolas do tipo:

“Sabemos que os professores incitam os pais a violência contra seus filhos. Responsabilizam os pais pelo fracasso da escola.” / “Temos sempre recomendado aos pais que fiquem do lado dos seus filhos mesmo quando eles erram. Não do lado do erro, mas do lado do filho para que aprenda que errar é humano e errando também se aprende.” (in http://cremildadentrodaescola.wordpress.com/2012/03/28/em-londrina-pai-humilha-filho-pelo-jornal-para-mostrar-que-e-pai-presente-e-agradar-a-professora/)

Para ela o(a) aluno(a) tem sempre razão, mesmo que agrida, mate ou estupre nunca deve ser punido, pois a culpa é sempre do(a) professor(a). No entender da Cremilda foram os professores que transformaram a aprovação continuada em “aprovação automática". Além do blog, Cremilda destila seu ódio contra a categoria em comentários nos jornais e em vídeos no  YOUTUBE como a   Melô da Professora Gananciosa , Alunofobia, entre outros.

Já o EscolaSemPartido.org, criado pelo advogado Miguel Nagib - inspirado em movimentos norte-americanos como o Students for a Academic Freedom e Noindoctrination.org - tem como finalidade lutar “pela descontaminação e desmonopolização política e ideológica das escolas” . Ao entrar neste site, temos a impressão que voltamos aos anos de chumbo da ditadura, lá se encontra censura a livros didáticos, bibliografias, conteúdos programáticos, provas de vestibular, material didático, etc.;  instruções e incentivo para os estudantes denunciarem os professores que praticam a “doutrinação política e ideológica” em sala de aula:

"Na dúvida, não se precipitem. Anotem os episódios, os conteúdos e as falas mais representativas da militância política e ideológica do seu professor. Anotem tudo o que possa ser considerado um abuso da liberdade de ensinar em detrimento da sua liberdade de aprender. Registrem o nome do professor, o dia, a hora e o contexto. Sejam objetivos e equilibrados. Acima de tudo, verazes. E esperem. Esperem até que esse professor já não tenha poder sobre vocês. Esperem, se necessário, até sair da escola ou da faculdade. Não há pressa.

Quando estiverem seguros de que ninguém poderá lhes causar nenhum dano, DENUNCIEM a covardia de que foram vítimas quando não podiam reagir.

Façam isso pelo bem dos estudantes que estão passando ou ainda vão passar pelo que vocês já passaram. É um serviço de utilidade pública." (in http://www.escolasempartido.org/planeje-sua-denuncia)

Na seção Flagrando o Doutrinador , há uma espécie de manual para o aluno(a) identificar o professor doutrinador:

“Você pode estar sendo vítima de doutrinação ideológica quando seu professor:

  • e desvia frequentemente da matéria objeto da disciplina para assuntos relacionados ao noticiário político ou internacional;
  • adota ou indica livros, publicações e autores identificados com determinada corrente ideológica;
  • impõe a leitura de textos que mostram apenas um dos lados de questões controvertidas;
  • exibe aos alunos obras de arte de conteúdo político-ideológico, submetendo-as à discussão em sala de aula, sem fornecer os instrumentos necessários à descompactação da mensagem veiculada e sem dar tempo aos alunos para refletir sobre o seu conteúdo;
  • ridiculariza gratuitamente ou desqualifica crenças religiosas ou convicções políticas;
  • ridiculariza, desqualifica ou difama personalidades históricas, políticas ou religiosas;
  • pressiona os alunos a expressar determinados pontos de vista em seus trabalhos;
  • alicia alunos para participar de manifestações, atos públicos, passeatas, etc.;
  • permite que a convicção política ou religiosa dos alunos interfira positiva ou negativamente em suas notas;
  • encaminha o debate de qualquer assunto controvertido para conclusões que necessariamente favoreçam os pontos de vista de determinada corrente de pensamento;
  • não só não esconde, como divulga e faz propaganda de suas preferências e antipatias políticas e ideológicas;
  • omite ou minimiza fatos desabonadores à corrente político-ideológida de sua preferência;
  • transmite aos alunos a impressão de que o mundo da política se divide entre os “do bem” e os “do mal”;
  • não admite a mera possibilidade de que o “outro lado” possa ter alguma razão;
  • promove uma atmosfera de intimidação em sala de aula, não permitindo, ou desencorajando a manifestação de pontos de vista discordantes dos seus;
  • não impede que tal atmosfera seja criada pela ação de outros alunos;
  • utiliza-se da função para propagar ideias e juízos de valor incompatíveis com os sentimentos morais e religiosos dos alunos, constrangendo-os por não partilharem das mesmas ideias e juízos."
Conservador e elitista, o movimento EscolaSemPartido.org está focado na manutenção dos princípios ideológicos da classe média alta e da elite, lutando para impedir que a juventude pertencente a esses segmentos não seja “contaminada”. Entre os articulistas preferidos do encontramos as figuras mais expressivas da extrema direita mais radical e do conservadorismo: Reinaldo Azevedo, Ali Kamel, Miguel Reale, Olavo de Carvalho, Demóstenes Torres, etc.

Até no mundo dos games somos apresentados como vilões que devem ser perseguidos e punidos. Aprontar com a professora, é um jogo destinado ao público infantil, que incentiva aos alunos a se vingar da professora atirando objetos em sua cabeça. Esse jogo já foi tema de duas postagens aqui no blog, clique nos links abaixo para aqui para acessá-los: http://soseducaopblica.blogspot.com.br/2010/05/professora-vira-alvo-de-jogo-em-sala-de.html e http://soseducaopblica.blogspot.com.br/2010/07/jogo-ensina-e-estimula-violencia-e.html.

Além dos exemplos acima citados, existe muito mais material na Internet  incitando o ódio, o desrespeito e a violência contra os docentes. É grande a campanha para nos desacreditar e restringir a nossa autonomia. Estão reeditando a caça às bruxas em pleno século XXI, e são os docentes que estão sendo queimados, por enquanto, em esfinge, nas fogueiras acesas pelo ódio irracional desses neo-inquisidores.

Acredito que tudo isso seja a expressão de desespero daqueles que temem uma sociedade igualitária e desejam manter o monopólio do conhecimento, restrito, à minoria dominante associados aos  grandes grupos midiáticos que querem a privatização da educação por razões econômicas e também ideológicas. Esses pseudos defensores da educação estão a serviço de todas as forças que historicamente vem se mantendo à custa da ignorância da população e temem por seu futuro, já que suas bases estão sendo ameaçadas pela universalização da educação, que apesar da baixa qualidade, é um fato irreversível.

Não devemos nos intimidar com essa perseguição e nem nos sentir desprestigiados, pois como diz o ditado popular: “ninguém chuta cachorro morto”. Nós somos o incômodo fermento da liberdade e da igualdade, um perigo e uma ameaça aos poderosos, considerando os altos investimentos e a intensidade do ódio dos nossos detratores.

Não se sinta desvalorizado e nem acredite que o nosso trabalho é sem valor e que não há solução para os problemas da educação pública. A sala de aula é a nossa trincheira de luta e essa é uma batalha que vem sendo travada desde a antiguidade. Mesmo sem qualidade, mutilada pelo experimentalismo alucinado promovido pela ganância e incompetência dos atuais gestores, que não estão poupando criatividade nem investimentos para destruí-la, o fato é que a educação pública está vencendo este embate histórico e a sua universalização é um fato irreversível, daí todo esse desespero.

Lembre-se que melhoria da qualidade da escola pública é crucial para a sobrevivência do sistema capitalista e a manutenção da ignorância encontra-se em xeque-mate.

Desejo a todos os valentes guerreiros e guerreiras que heroicamente estão nas salas de aula trabalhando e lutando por um mundo melhor que não desistam.


Parabéns pelo DIA DO PROFESSOR!

A LUTA CONTINUA!


quarta-feira, 10 de outubro de 2012

SERÁ VÁLIDO CRIAR UMA DEPENDÊNCIA QUÍMICA PARA MELHORAR AS NOTAS?

Share |

Estudantes pobres nos EUA tentam melhorar notas com remédio para deficit de atenção

ALAN SCHWARZ

NEW YORK TIMES', EM CANTON, GEÓRGIA


Quando o médico Michael Anderson fica sabendo que seus pacientes de baixa renda estão enfrentando dificuldades na escola primária, geralmente lhes receita um medicamento forte: Adderall.

Os comprimidos aumentam a atenção e o controle de impulsos de crianças que apresentam transtorno de déficit de atenção com hiperatividade. Embora o TDAH seja o que Anderson diagnostica, ele descreve o transtorno como "inventado", dizendo que não passa de uma desculpa para receitar pílulas para tratar o que ele vê como sendo o verdadeiro mal das crianças: desempenho acadêmico fraco em escolas inadequadas.

"Não tenho muita escolha", disse Anderson, que é pediatra e atende muitas famílias pobres no condado de Cherokee, ao norte de Atlanta (EUA).

"Nós, como sociedade, decidimos que custa caro demais modificar o ambiente da criança. Logo, temos que modificar a criança."

Anderson é um dos proponentes mais francos de uma ideia que vem suscitando interesse entre alguns médicos. Eles estão prescrevendo estimulantes a alunos que enfrentam dificuldades em escolas às quais faltam recursos. Prescrevem os medicamentos não necessariamente para tratar um TDAH, mas para favorecer o desempenho acadêmico dos alunos.

Ainda não está claro se Anderson é representante de uma tendência crescente. Mas alguns especialistas observam que, enquanto estudantes ricos abusam de estimulantes para elevar suas notas já boas em faculdades e colégios, esses medicamentos vêm sendo usados com crianças do ensino básico, de famílias de baixa renda, que têm notas fracas e cujos pais estão ansiosos por vê-los ter aproveitamento escolar melhor.

"Nós, como sociedade, não nos dispomos a investir em intervenções não farmacêuticas muito boas para essas crianças e suas famílias", disse Ramesh Raghavan, pesquisador de serviços de saúde mental para crianças na Universidade de Washington e especialista no uso de medicamentos vendidos com receita médica entre crianças de baixa renda. "Concretamente, estamos forçando psiquiatras que atuam nas comunidades locais a usar a única ferramenta da qual dispõem: os medicamentos psicotrópicos."

A psiquiatra infantil Nancy Rappaport, de Cambridge, Massachusetts, que trabalha com crianças de renda mais baixa e suas escolas, acrescentou: "Estamos vendo isso cada vez mais. Estamos usando uma camisa de força química em vez de fazer coisas que são igualmente ou até mais importantes."

Anderson diz que seu instinto é de um "pensador de justiça social", alguém que quer "nivelar o campo um pouco". Ele diz que as crianças com problemas acadêmicos que ele atende estão, basicamente, em desarmonia com seu ambiente --são peças quadradas que não se encaixam nos furos redondos do ensino público. Como suas famílias raramente têm meios para pagar por terapias de base comportamental, como aulas particulares e atendimento psicológico à família, a medicação, segundo ele, torna-se o modo mais confiável e prático de redirecionar o aluno no sentido do sucesso.

"Não dou a medicação a alunos que estão tirando notas boas", ele explicou. Para alguns pais, o medicamento traz grande alívio. Jacqueline Williams disse que não consegue agradecer Anderson o suficiente por diagnosticar TDAH em seus filhos --Eric, 15 anos, Chekiara, 14, e Samhya, 11-- e prescrever Concerta, um estimulante de ação prolongada, a todos. Williams disse que cada um deles estava tendo dificuldade em ouvir as instruções dos professores e concentrar-se na lição de casa.

"Meus filhos não queriam tomar o remédio, mas falei a eles: 'Essas são suas notas quando vocês estão tomando, e essas são de quando não estão', e eles entenderam", ela contou, observando que o Medicaid cobre quase todos seus custos com o médico e os medicamentos.

Alguns especialistas não veem grande problema no fato de um médico responsável usar medicamentos contra TDAH para ajudar um estudante em dificuldades. Outros --mesmo alguns dos muitos, como Rappaport, que são a favor do uso de estimulantes no tratamento do TDAH clássico-- temem que os médicos estejam expondo as crianças a riscos físicos e psicológicos não justificados. Alguns efeitos colaterais relatados dos medicamentos já incluíram a supressão do crescimento, aumento da pressão sanguínea e, em casos raros, episódios psicóticos.

O transtorno, que se caracteriza por desatenção e impulsividade graves, é um diagnóstico psiquiátrico cada vez mais comum entre crianças e adolescentes americanos: em 2007, considerou-se que cerca de 9,5% dos americanos de 4 a 17 anos tinham o transtorno, segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças, ou 5,4 milhões de crianças e adolescentes.

A prevalência relatada do transtorno vem subindo constantemente há mais de uma década, com alguns médicos satisfeitos com seu reconhecimento amplo, enquanto outros receiam que o diagnóstico e os medicamentos para tratar o transtorno estejam sendo dados pouco criteriosamente, de modo que exclui terapias não medicamentosas.

O DEA (órgão dos EUA que fiscaliza medicamentos) classifica esses medicamentos como substâncias controladas de nível dois, porque são criadores de dependência. Segundo muitos especialistas, ainda não se conhecem bem os efeitos de longo prazo do uso dos medicamentos por períodos extensos. Alguns deles temem que as crianças possam se tornar dependentes dos remédios até a idade adulta, muito depois de quaisquer sintomas do TDAH terem se dissipado.

De acordo com diretrizes publicadas no ano passado pela Academia Americana de Pediatria, os médicos devem empregar uma de várias escalas de classificação comportamental, algumas das quais incluem dezenas de categorias, para se certificar de que a criança se enquadra apenas nos critérios do TDAH e não apresenta outra condição relacionada, como a dislexia ou o transtorno desafiador opositivo, em que raiva intensa é dirigida contra figuras de autoridade.

Mas um estudo publicado em 2010 no "Journal of Attention Disorders" sugeriu que pelo menos 20% dos médicos disseram não seguir esse protocolo quando fazem seus diagnósticos de TDAH, sendo que muitos seguem seus instintos pessoais.

Na estante da cozinha da família Rocafort, de Ball Ground, Geórgia, ao lado da manteiga de amendoim e dos cubos de caldo de galinha, há uma cesta metálica repleta de remédios das crianças prescritos por Anderson: Adderall para Alexis, de 12 anos, e Ethan, 9; Risperdal (um antipsicótico para a estabilização de estados de ânimo) para Quintn e Perry, ambos de 11 anos; e Clonidine (um sonífero para contrapor-se aos outros medicamentos) para as quatro crianças, que o tomam todas as noites.

Quintn começou a tomar Adderall para o TDAH cinco anos atrás, quando seu comportamento rebelde na escola suscitou telefonemas para sua casa e suspensões. Ele imediatamente se acalmou e tornou-se um aluno mais atento e sério --um pouco mais como Perry, que também tomava Adderall para o TDAH.

Mas no início do turbilhão químico da puberdade, quando Quintn tinha cerca de 10 anos de idade, ele começou a envolver-se em brigas na escola, dizendo que outras crianças estavam insultando sua mãe. O problema era que isso não estava acontecendo; Quintn estava vendo pessoas e ouvindo vozes inexistentes, um efeito colateral raro, mas conhecido, do Adderall. Depois de Quintn admitir ter pensamentos suicidas, Anderson prescreveu uma semana num hospital psiquiátrico local e a mudança de Adderall para Risperdal.

Quando contaram a história, os pais de Quintn o chamaram e pediram para ele descrever por que o Adderall tinha sido receitado.

"Para me ajudar a prestar atenção na escola, fazer minha lição de casa, ouvir mamãe e papai e não fazer o que eu fazia antes com meus professores, que os deixava bravos", falou o garoto. Ele descreveu a semana que passou no hospital e os efeitos do Risperdal: "Se eu não tomo meu remédio, fico tendo atitudes. Fico desrespeitando meus pais. Sem o remédio eu não estaria como estou agora."

Apesar da experiência de Quintn com o Adderall, os Rocafort decidiram usar o remédio com sua filha de 12 anos, Alexis, e seu filho de 9, Ethan. Eles não apresentam TDAH, disseram seus pais. O Adderall é apenas para ajudá-los a ter notas melhores e porque Alexis estava, nas palavras de seu pai, um pouco "nem aí com nada".

"Já vimos os dois lados do espectro: vimos o lado positivo e o lado negativo", comentou o pai, Rocky Rocafort. Reconhecendo que Alexis usa o Adderall por motivos "cosméticos", ele disse: "Se eles estão se sentindo positivos, felizes, estão socializando mais e isso os está ajudando, por que não usar?"

O pediatra e neurologista pediátrico William Graf, que atende muitas famílias pobres em New Haven, disse que uma família deve ter o direito de decidir se o Adderall pode beneficiar seu filho que não tenha TDAH e que um médico pode eticamente prescrever o medicamento de modo experimental, desde que os efeitos colaterais sejam monitorados atentamente. Mas ele disse temer que o uso crescente de estimulantes desse modo possa colocar em risco a "autenticidade do desenvolvimento".

"Essas crianças ainda estão na fase de desenvolvimento. Ainda não sabemos como essas drogas afetam biologicamente o cérebro em desenvolvimento", ele explicou. "Os pais, médicos e professores têm a obrigação de respeitar a questão da autenticidade, e não sei se isso está acontecendo sempre."

Anderson disse que todas as crianças para as quais já receitou medicamentos para TDAH se enquadraram nos critérios. Mas ele critica esses critérios, dizendo que foram codificados apenas "para fazer algo completamente subjetivo parecer objetivo". Ele acrescentou que os relatórios dos professores quase invariavelmente voltam citando comportamentos que justificariam um diagnóstico, decisão que descreveu como sendo mais econômica que médica.

"A escola disse que, se tivessem outras ideias, investiriam nelas, mas que as outras ideias custam dinheiro e recurso, comparadas com medicamentos", disse Anderson.

Vários educadores contatados para este artigo consideraram o tema do TDAH tão controverso que se negaram a comentar; disseram que às vezes é feito uso equivocado do diagnóstico, mas que, para muitas crianças, o transtorno gera uma deficiência grave de aprendizado. O superintendente de um grande distrito escolar na Califórnia, exigindo anonimato para falar, observou que os diagnósticos de TDAH vêm aumentando à medida que as verbas para o ensino vêm diminuindo.

"É assustador pensar que chegamos a isso, que a falta de verbas para o ensino público que possibilitem atender as necessidades de todas as crianças levou a isso", disse o superintendente, aludindo ao uso de estimulantes por crianças que não apresentam o TDAH clássico. "Isso pode estar acontecendo aqui mesmo. Talvez não tão conscientemente, mas pode ser consequência de um médico que vê uma criança sendo reprovada em salas de aula superlotadas com 42 outras crianças, e os pais frustrados perguntando o que podem fazer. O médico diz 'talvez seja TDAH, vamos experimentar com a medicação'."

Quando foi informado que o casal Rocafort afirma que seus dois filhos que estão tomando Adderall não têm TDAH e nunca tiveram, Anderson disse estar surpreso. Ele consultou as fichas das crianças e encontrou o questionário dos pais. Cada categoria que avalia a gravidade dos comportamentos associados ao TDAH tinha recebido escore cinco (o máximo), com a exceção de uma, com escore quatro.

"Esse é o motivo de minha angústia", disse Anderson. "A gente afixa um rótulo a uma coisa que não é binária --você a tem ou não. Não dizemos simplesmente que há um aluno que está tendo problemas na escola, problemas em casa e que provavelmente vai tentar um tratamento médico, prescrito pelo médico com a concordância dos pais."

"Podemos não conhecer os efeitos de longo prazo do remédio, mas conhecemos os custos no curto prazo do fracasso escolar, que são reais. Eu olho para a pessoa individual e como ela está agora. Sou médico do paciente, não da sociedade."

Tradução de CLARA ALLAIN


domingo, 23 de setembro de 2012

SEGURANÇA NEGLIGENCIADA

Share |


A direção das escolas estaduais, pouco a pouco, está perdendo a sua autonomia e colocando em risco, em função da burocracia e o cumprimento de metas, a segurança de alunos, docentes e funcionários.

Quinta-feira passada, em duas unidades da rede estadual de ensino do Estado do Rio de Janeiro, em dois episódios a segurança foi negligenciada em favor da burocracia.

O primeiro episódio ocorreu em Cabo Frio, na Escola Estadual Aspino Rocha, e foi relatado pela professora Renata M. Tavares, no e-mail transcrito abaixo:

“Estou indignada, eu estava na Escola Estadual Aspino Rocha na quinta, quando a diretora enviou e-mail para a Secretaria de Educação, perguntando se a escola deveria funcionar já que havíamos recebido um alerta da defesa Civil, avisando que deveríamos ficar 24 horas em estado de alerta de chuva de granizo. A SEEDUC respondeu que a escola deveria funcionar E PROTEGER os alunos que fossem a escola. Mesmo com professores indignados, a escola funcionou no noturno, e na sexta-feira funcionou manhã e tarde... 

Ontem por volta de 17:20, assim que o turno da tarde foi encerrado, chegou uma chuva louca, com muito vento... Tínhamos uns 20 alunos que estavam no Mais educação. A chuva alagou o pátio da escola, derrubou uma árvore e destelhou parte da escola...

Tivemos que abrigar as crianças da despensa da cozinha, já que parte da escola não tem laje. Faltou luz, a diretora passou mal, nervosa... Após a chuva diminuir, eu peguei o carro da diretora pra levar as funcionárias e professores em casa... Depois fui com ela, que ainda estava se sentindo mal, para Arraial do Cabo (que também teve diversos estragos).

E tudo isso, por que no dia anterior a defesa civil havia dado um alerta, e a Secretaria Estadual de Educação ignorou e mandou as escolas funcionarem, já que granizo é imprevisível... Pode cair ou não! 

Sair da escola foi quase impossível, Cabo frio estava às escuras e sem sinal, com muitas ruas alagadas, árvores, muros, toldos, tampas de caixa d'água pelas ruas. 

A defesa civil, que trabalhou rápido, estava com ruas interditadas, e retirando árvores do caminho, por isso ruas fechadas.

Agora vou voltar com a diretora na escola pra saber se houve mais estragos...

Nessas horas, eu só queria que o povinho da SEEDUC estivesse aqui... 

"Pensa! O pensamento tem poder.
Mas não adianta só pensar.
Você também tem que dizer! Diz!
Porque as palavras têm poder.
Mas não adianta só falar.
Você também tem que fazer! Faz!
Porque você só vai saber se o final vai ser feliz depois que tudo acontecer."
Gabriel, O Pensador

Renata M Tavares.”

A Defesa Civil estava certa e por pouco não acontece uma tragédia.  Clique aqui  para  ver o estrago provocado pelas chuvas em Cabo Frio na quinta-feira, no RJTV 2ª edição.

O segundo episódio, foi presenciado por mim no C.E. Luis de Camões, localizado no bairro de Colégio, onde trabalho. Em função do tiroteio próximo à escola, dez minutos, antes do encerramento do turno os alunos foram embora, mas o corpo docente teve que permanecer na unidade cumprindo a carga horária.

O tiroteio nas ruas vizinhas foi considerado irrelevante diante da possibilidade do aparecimento da fiscalização da Seeduc, ou seja, o cumprimento das metas está sendo mais importante do que a segurança do corpo docente.

Será preciso acontecer uma tragédia para que os gestores percebam que a vida humana é mais importante do que as metas?

Será que o bônus recebido pela direção é tão alto que justifica colocar em risco vidas humanas?

Convém lembrar que cadáveres não cumprem metas...